Sobre os meus primogênitos…

Imagem

Tão ai na foto meus dois primogênitos. Um canino e uma humana.

Nenhum dos dois de fato saiu da minha barriga. Mas sempre senti como se fosse.

Primeiro veio a Nicolle, ou Bolota (ou Mocoronga, Chambrequinho, Bundinha de Pêra, ou qualquer apelido que o valha), há quase 9 anos. Eu já sentia que ela era meio minha, quando minha dinda me contou que estava grávida, e olha que eu fui a primeira a saber! Rá. E eu vi a Nicolle nascer, com aquela carinha de periquito, que logo depois foi pra UTI-neo. Depois vieram milhares de médicos, uma cirurgia no coração e mais umas chatices de saúde e eu estava lá todo-santo-dia-e-dia-não-santo-também. Vieram os primeiros passos, os primeiros passeios, os primeiros tudos, e eu tava lá. Até o dia que eu me casei e fui morar longe da Bolota. Dias – talvez meses – de sofrimento pra mim. Mas me acostumei, vi de longe ela ficar banguela, aprender a ler, aprender a escrever e até a ler o livro da Peppa pra mim no telefone. E mesmo não passando taaaanto tempo perto, sempre que estamos juntas é uma festa.

No Carnaval eu estava aqui em casa na minha meiaboquisse de enjoos bizarros e ela veio pra cá ficar comigo. Quanta deliciosidade. Ela já estava fazendo planos de se mudar aqui pra casa, e que ia dormir no quarto das crianças (que até então eram Alice e Sofia na cabeça dela) e o escambau, e que dor no coração que foi o dia dela ir embora chorando no carro… uiuiuiui… hajam hormônios pra poder suportar.

E agora passamos o feriado da Páscoa juntas. Muitos abraços e carinhos e beijinhos sem ter fim. E comi os chocolates dela. E os meus. Eu culpo à gravidez, nem me importo. E fiquei com vontade de não voltar pra casa e estender a primeira-e-ultima-viagem da gravidez só viajei porque foi uma obstetra comigo para todo o sempre. Ali aquela mãozinha gorduchinha fazendo cócegas na minha pança enquanto Pedro e Alice se remexiam dentro dela, e a Nicolle, obviamente, achando aquilo tudo a coisa mais estranha do mundo, foi o mais perto do sublime da gravidez que eu já consegui sentir até então essas 20 semanas que se completam amanhã.

O canino é o Fred, oi Frederico, ou Fredico, ou Bebezinho, ou Cabeça de Agulha, mas nunca, nunca Baleia (coisa que seus pais levemente dementes tentaram fazer depois de quase 4 anos sendo chamado de Fred). Enfim, o cachorro mais burro da face da Terra. Não me venham com esse papo de que cachorro só é levado, blá blá blá, whiskas sachê… O Fred é burro mesmo, daqueles que não aprende nada e não consegue achar um brinquedo se a gente esconder atrás da gente no sofá. Mas mesmo com essa burrice toda ele é um cachorro fofo, fofo no sentido de fofurice, não de gordice, por favor. Daqueles que olha pra gente com cara de que tá te amando. É o rei de deitar com a cabeça na minha pança e achar aquele monte de remeximentos o lugar mais confortável do mundo pra descansar a cabeça. Não late, não fede, mas solta pelo pra caramba. Blah. Whatever. Eu soltava cabelo também e nem por isso ele deixou de gostar de mim.

Essas duas coisas deliciosas (e que se adoram diga-se de passagem) estão meio ressabiados com a chegada dos lêmures, mas estão se acostumando aos poucos. E acho que depois que eles nascerem e crescerem um pouquinho e perderem um pouco da cara de Benjamin Button não me venha com esse papo que viu um bebe que nasceu lindo, todo mundo é horroroso, eles vão levar as crianças mais na boa.

E enquanto as outras 20 semanas não passam eu vou ficando com sonecas na barriga e carinhos de mãozinha sem osso! Delicinha!!!!

ImagemImagem

Anúncios

Um comentário sobre “Sobre os meus primogênitos…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s